Com matriz em Farroupilha, no Rio Grande do Sul, a Multinova conta com três filiais. Foto: Divulgação.

A Multinova, fabricante de bolhas, mantas planas, placas, perfis, tubos, cantoneiras e redes a partir do processamento de polietileno e polipropileno expandidos, mudou o processo gestão estoque e separação. O uso de códigos de barras foi substituído por RFID.

O investimento foi de R$ 300 mil na implantação do software da Akron, que faz o controle do RFID, integração com o ERP (fornecido pela Effective, de Caxias do Sul) e toda a infraestrutura dos coletores manuais, portais e impressoras compatíveis. 

Como parte do projeto, foi necessário identificar todos os produtos com as novas etiquetas RFID. 

A implantação do processo foi feita em 5 meses. Após a homologação e as validações do processo na Matriz, o trabalho foi replicado nas filiais. 

Com matriz em Farroupilha, no Rio Grande do Sul, a Multinova conta com três filiais, situadas em Jaguariúna (SP), São Bento do Sul (SC) e Simões Filhos (BA). A companhia possui 267 funcionários e registrou faturamento de R$ 112 milhões em 2018

A empresa considera que o principal desafio para obter as leituras com exatidão foi isolar os portais. Por estarem próximos do estoque, ocasionalmente realizavam a contagem de produtos fora da área desejada. 

Os leitores RFID estão instalados na entrada de materiais, na doca de recebimento e transferências e na doca da expedição. A leitura é feita durante a passagem dos materiais pelo portal via radiofrequência.

Antes da RFID, os processos de separação de pedidos e de contagem de estoques eram realizados por meio de leitores de códigos de barras, em um volume de 1,3 milhão de etiquetas em 2018. 

O processo de contagem de estoque geral da unidade de São Paulo, por exemplo, durava em média de 3 a 4 dias. No cenário atual, com o uso da tecnologia de RFID, o processo de contagem de estoque leva 6 horas. 

"A inovação e o aprendizado são marcas registradas da Multinova. Por este motivo, a equipe entendeu a mudança como um desafio importante para obter ganhos nos processos, e utilizar a tecnologia a nosso favor. Tivemos alguns retrabalhos quanto a etiquetagem de alguns itens. A grande contribuição partiu de nossa equipe de TI e da equipe envolvida no projeto, que trouxe o sistema até a unidade com uma parametrização perfeita”, detalha Paulo Roberto Feltrin, diretor industrial da Multinova. 

Os próximos passos previstos são ampliar a utilização de lotes de produtos e fomentar a tecnologia, para que os clientes também possam utilizar o RFID e obter benefícios.